"Santas as visões, santas as alucinações, santos os milagres, santo o globo ocular, santo o abismo." (Allen Ginsberg)

9.8.06

os sonhadores

Sonhar acordado é uma loucura tomando conta da alma duma pessoa de tal forma que essa pessoa não consegue ao menos fingir não sonhar. Os sonhos vão surgindo e desfilando diante dos olhos como a grossa e azulada fumaça sobe pelo ar. Quem prefere conversar iluminado pelas chamas de velas? Quem não gosta de televisão e só assiste à filmes quando vai ao cinema? Olhos fixos na superfície colorida da tela de projeção - no mínimo duas cores. O breu da sala à luz de velas. O breu da sala à luz da tela. Coisas pouco convencionais acontecem em ambientes de iluminação irregular. Sonhos bons, sonhos maus. Com intensidade. Os olhos cheios de brilho do sonhador param perdidos a olhar os sonhos se criando, se formando na perplexidade mágica do devaneio. O sonhador é meio aéreo, fora do ar. Para o sonhador o sonho basta e sua realização não é tão bela como quando o sonho só morava dentro da mente. Não há correntes que prendam quem sonha. Quando o algoz sorri tranquilo por pensar tê-lo capturado, no sonhador se desvencilha num reles truque infantil de ilusão óptica - porque as correntes dos leigos não conseguem manter cativos os pensamentos sonambulando. O que é desvairado num sonhador é o desejo, bicho bruto e sem rédea - pulsando vermelho. O que passar pela cabeça tem antes de ter batido no coração. A inquietude de contrariar o estabelecido adormecido: o calculável - a sobriedade, a moral e o interdito: dito entre linhas. Sonhadores podem se alienados mas não são tranquilos. São inquietos. A revolução? A revolução está acontecendo lá fora - mas, enquanto dormimos depois do gozo lascivo, alguma pedra pode atingir nossa paz até então perfeita e quebrar nossa janela, certo? Non, rien de rien. Non, je ne regrette rien. E o preço da interrupção deste sono de rogozijo pode ser a integração total à Causa. Os corpos se entregando ao fogo e aos gritos ao ar livre. Este sacrifício teria sido provocado por alguma sala escura? Quem vai saber... Catar os sonhos no ar até lá. Inclusive sonhos alheios que os outros não têm a coragem de sonhar. Não têm a coragem sequer de admitir. É por esse motivo que nem se lembram dos próprios sonhos - aos não-sonhadores (os esquecidos) só resta o gosto mau na boca quando acordam. E ainda zombam dos que têm coragem de sonhar e de contar seus sonhos estranhos. Estranhos? Não existem sonhos estranhos mas sim existem pessoas estranhas que não sonham. Muito perigoso e muito bonito é quando um sonhador tromba com outros sonhadores e, juntos entre si e isolados do resto do mundo, confabulam um exclusivo intercâmbio de beleza. texto . matheus só aos sonhadores em geral, espectadores dos sonhos que criaram ou simplesmente dos sonhos que acham belos.

Marcadores: ,

1 Comments:

Anonymous ana said...

bonito demais esse texto...
"pode tirar o cigarro? ele grudou na minha boca"

8:27 PM

 

Postar um comentário

<< Home