"Santas as visões, santas as alucinações, santos os milagres, santo o globo ocular, santo o abismo." (Allen Ginsberg)

27.8.11

El




Tenho um conceito muito pessoal sobre o amor. O amor surge de improviso e rouba a cena. Não podendo me divertir quando estou apaixonado, visto que o amor suga meu tempo ao ponto de se tornar atividade mental única e exclusivista, o amor não me é interessante - é mau pois interfere no espaçotempo do meu ócio, do meu lazer e da minha solidão criativa. Não escrevo enquanto cortejo, beijo na boca e executo outras atividades inerentes à expressão do afeto em duo. Logo, escrevo e excluo as outras atividades. Viro a cara para o possível amor que não for leviano, aquele que exige fidelidade - conceito cristão no qual cuspo. Felicidade em demasia me cansa e me incomoda, me soa pouco autêntica. O amor é um vício difícil, quase doença. Fosse o contrário, amargaria ainda mais a mi vida. E eu, o que faria? Ultrapassaria os limites de ciúme e de posse. Melhor não. Melhor continuar insano supostamente livre, do que insano cativo passional de qualquer crime em função de um sentimento que é pura invenção, é pura vontade de ser já sendo.

texto . matheus matheus
imagem . El, de Luis Buñuel, México, 1953

3 Comments:

Anonymous Poeta da Colina said...

Só conheço conceitos pessoais sobre o amor.

6:02 PM

 
Blogger MatHeuS MatHeuS said...

Parabéns, continue assim.

Saiba: existem conceitos impessoais sobre o amor. No contexto deste blog, acho que o melhor exemplo é o conceito que o cinema holywoodiano impôs ao resto do mundo no século passado.

4:37 PM

 
Blogger Naomi Conte said...

vida dura, dura vida...

9:07 PM

 

Postar um comentário

<< Home