"Santas as visões, santas as alucinações, santos os milagres, santo o globo ocular, santo o abismo." (Allen Ginsberg)

9.9.10

Cartas do Deserto (Elogio à Lentidão)

Entregar cartas de casa em casa. Em cada envelope uma esperança. Que às vezes se desfaz - notícia de morte. Que outrora se refaz - reza que deus manda a pensão. Simão de Ray Ban no deserto. Cartas demoram mais a chegar e custam mais caro do que SMS. Mas o preço aparentemente mais barato pode ser mais alto do que se imagina. Perder a graça da espera pode não ser uma evolução. Tudo rápido demais pode ser uma desventura irreversível. Como desacelerar sem pifar? Como ter o olhar mais virgem sendo bombardeado continuamente por tanta informação inútil? Retardar as coisas para que elas façam mais sentido - ser a rampa que abriga o skate vazio e o corpo do skatista caido no chão. Ser chuveiro antes de chacina. Mover-se na vida com a mesma delicadeza de gestos dum ator num filme mudo. Lentidão significa leveza, alteza. Maior sabedoria. Viver de contemplação. Voar sem medir tanto os passos, sem olhar tanto o relógio. Além do outdoor e das exigências do mercado, além da nuvem negra salpicando o céu azul e amarelo, passarinhos cantam sobre as antenas de câncer da telefonia celular. E se depender de mim, cantarão cada vez mais alto. texto . matheus matheus com alusões à Waly Salomão, Gus Van Sant, Humberto Gessinger e Luis Buñuel imagem . Letters from the Desert (Elougy to Slowness, de Michela Occhipinti, Itália/Índia, 2010

1 Comments:

Blogger Rodrigo [ ! ] Vignoli said...

Indie Fetivla?! hahaha

2:19 PM

 

Postar um comentário

<< Home